Psicoeducação

Ao longo de nove anos na prática clínica, tenho percebido que pessoas podem deixar de se beneficiar com o atendimento psicológico e ou psiquiátrico, muitas vezes, por medo de serem consideradas um doente mental.

Sabemos que esse cenário esta mudando, mas como saber se na verdade não sou louco?
Como saber se sou ou não normal? Mas o que é ser anormal? Questões que de certa forma ficam sem respostas quando desistimos de buscar ajuda.

Nós profissionais da saúde, sobre a "normalidade", sabemos que essa não é uma pergunta fácil de ser respondida.

Ser normal ou não ser normal, seria mesmo essa a questão que pode ajudar você?

Você já se questionou, O Porque dessa duvida e de alguma outra situação incomodar tanto? Por que se sente assim incomodado? E o que você pode fazer a respeito disso?

Todo questionamento é válido e importante... Entendo que através da psicoeducação, muitas das dores, do desconhecido eu, poderiam ser amenizadas ao entender como funciono e porque algumas vezes não me sinto a vontade comigo, com o outro ou com o mundo, pontos de partida para a libertação em busca de autoconhecimento, qualidade de vida e paz.

Elca Coimbra